A importância de não fumar antes da cirurgia plástica

A importância de não fumar antes da cirurgia plástica

O tabagismo é um dos principais aspectos que pode evitar uma cirurgia de ser feita ou ainda gerar complicações para a mesma. Por isso, é muito importante não fumar durante o período pré e pós-operatório.

Em caso de cirurgias complexas, como abdominoplastia, são necessários seis meses, pelo menos, sem fumar, uma vez que há uma grande alteração cardiorrespiratória, pulmonar e nos vasos sanguíneos, e a presença de substâncias do cigarro poderia levar a complicações para a paciente.

É de vital importância também não omitir, ou mentir, para o cirurgião caso não consiga parar de fumar, pois é a vida do paciente que estará em perigo nestas situações, inclusive correndo o risco de morte.

Além do pré-operatório, é importante também não fumar durante o período de recuperação, uma vez que o corpo estará fragilizado para a presença de substâncias que podem ser fatal para o organismo, como a nicotina.

Outro aspecto é a dificuldade de cicatrização em pessoas fumantes, é notório o número de pesquisas que indicam uma relação direta do fumo com dificuldade de cicatrização dos tecidos em qualquer procedimento cirúrgico, por isso é interessante aproveitar o desejo da cirurgia plástica para abandonar hábitos não saudáveis.

Exercícios físicos e a cirurgia plástica

Exercício físico e a cirurgia plástica

A prática de exercícios físicos é alterada durante as cirurgias plásticas. Porém, estudos comprovam que um possuir um bom condicionamento físico antes do procedimento pode auxiliar no período de recuperação.

Segundo a pesquisa, é possível obter um período pós-cirúrgico com incômodos mais amenos e de maneira mais acelerada, sendo possível até resultados mais eficazes.

Isso se deve a boa circulação que o sangue possui para essas pessoas, reduzindo as chances de efeitos colaterais no corpo e permitindo também uma vascularização aceitável após o procedimento.

Após a cirurgia, porém, o recomendável é o repouso após o período de recuperação, sendo, geralmente, 15 dias sem realizar nenhum tipo de atividade física e 30 dias sem a prática de exercícios intensos, como natação e futebol.

Expectativas irrealistas na cirurgia plástica

Expectativas irrealistas na cirurgia plástica

Segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), cerca de 30% dos pacientes são rejeitados por um cirurgião por terem expectativas irreais, não sendo possível atender as demandas pedidas.

A cirurgia plástica pode realizar grandes melhorias, não apenas estéticas, mas também psicológicas em quem se submete ao tratamento, mas para isso é necessário compreender quais são os objetivos da operação e da paciente.

Geralmente, a pessoa que possui uma expectativa irrealista sobre um procedimento espera ficar parecida com a celebridade que viu na televisão, atingir um patamar de beleza  que é inalcançável somente com a operação ou, ainda, utilizar a cirurgia para algo que não depende dela, como salvar um relacionamento ou tratar uma depressão.

Para decidir realizar ou não uma cirurgia plástica, é realizada uma longa entrevista entre cirurgião e paciente, necessária para descobrir se o procedimento vai atingir as expectativas geradas e se há alguma segunda intenção por trás do desejo de fazer a intervenção.

Além das expectativas, há outros motivos que podem barrar uma operação estética, como anorexia, diabetes e distúrbios hemorrágicos, devido a possibilidade de complicação dessas condições.

Fases pós-operatória da Mamoplastia

Fases pós-operatória da mamoplastia

A cirurgia de mamoplastia, implante de prótese de silicone, não termina no momento da operação, sendo necessário respeitar diversas fases do processo pós-operatório para uma boa recuperação das mamas, sendo elas.

6 a 12 horas – Neste período, a paciente fica internada, para que possa passar o efeito da anestesia e garantir que a paciente esteja bem.

24 horas – Durante esse tempo, a paciente mantém curativos nos locais onde foi realizada a incisão, podendo ser medicados analgésicos para diminuir o desconforto. Além disso, o banho completo não pode ser realizado no período.

30 dias – No primeiro mês após o transplante, as mamas ainda estarão com o aspecto inchado, e pede-se que não tenha nem movimentos bruscos, e nem que se levante os braços, pedindo-se que haja ajuda externa para lavar o cabelo, por exemplo.

3 meses – A partir do 30° dia, as atividades físicas podem ser retomadas gradualmente, desde que sem sobrecarregar as mamas. Também pede-se que hidrate bem o local e evite exposição excessiva ao sol, pois isso pode manchar as cicatrizes.

18 meses – Depois de três meses, o inchaço da mama diminui constantemente, sendo que o resultado final pode ser perceptível em até um ano e seis meses após a cirurgia, com cicatrizes mais finas e discretas.

Essas indicações podem mudar de acordo com o caso clínico de cada paciente, sobretudo, quando existem cuidados adicionais.

Mas via regra, as orientações são essas.

ansiedade

Ansiedade pré-operatória e pós cirurgia plástica.

Ansiedade pré-operatória e pós cirurgia plástica.

Durante os dias que precedem uma cirurgia plástica, é comum o paciente sentir algum nível de ansiedade, uma vez que o procedimento promove uma série de transformações irá refletir não só durante o período de recuperação, mas durante toda a vida de quem realiza a operação.

Existem algumas formas de diminuir o estresse pré-operatório, sendo a primeira buscar esclarecer todas as suas dúvidas com o cirurgião responsável pelo procedimento, havendo uma transparência e uma relação de confiança entre paciente e médico.

Também é importante estudar bastante sobre a cirurgia e conversar com outros pacientes que já realizaram a operação, uma vez que o esclarecimento sobre a cirurgia pode eliminar possíveis inseguranças, e com isso a ansiedade.

Além disso, é interessante trazer um ambiente de diálogo sobre o assunto com familiares e amigos que possam te apoiar durante os dias que precedem a operação, trazendo mais empatia sobre o tema, e promovendo um ambiente mais seguro para um debate sobre a cirurgia.  

O planejamento cirúrgico do médico é realizado nos mínimos detalhes para que tudo ocorra bem durante e depois do procedimento, a equipe é altamente treinada e as recomendações que são passadas antes e depois do procedimento, são fundamentais para que tudo ocorra dentro da normalidade.

Controlar a ansiedade é fundamental, para que as recomendações sejam observadas à risca, a cicatrização é um processo do pós operatório, e em cada fase, a paciente é orientada de como proceder, visto que, não é interessante se preocupar com algo que vai acontecer daqui 2 meses, mas sim o que precisa ser feito hoje por exemplo.

Percebemos que algumas pacientes, ficam ansiosas pelos passos seguintes, e não realizam corretamente os passos iniciais, pulando etapas do pós-operatório, e isso não colabora com todo o processo de recuperação.

Queda de mama secundária após o implante de silicone curitiba

Queda de mama secundária após o implante de silicone

Queda de mama secundária após o implante de silicone

A mamoplastia de aumento é um dos procedimentos mais procurados pelas pacientes. A razão por trás dessa demanda está alinhada com o papel importante da mama na sexualidade feminina e ao bem estar psicossocial da mulher.

Uma pergunta comum das pacientes é se a mama poderá cair depois do implante de silicone, ocorrência conhecida como ptose mamária.

Esse é um tema muito importante de discutir com a paciente antes da cirurgia, visto que o principal objetivo do implante de silicone é aumentar o volume da mama e melhorar o seu posicionamento.

Porém é possível que a mama possa cair após a cirurgia, e essa possibilidade tem vários fatores, como:

  •         Espessura da pele da paciente;
  •         Flacidez;
  •         Ganho de peso e perda de peso;
  •         Hábitos alimentares incorretos;
  •         Flacidez muscular;
  •         Peso da prótese.

Em estudos realizados com pacientes após a cirurgia de implante de silicone, foi identificado um percentual pequeno de casos com algum tipo de queda ou alteração no resultado, sendo que, em todos, a modificação foi leve ou moderada.

É muito difícil controlar o que irá acontecer depois da cirurgia, pois cada pessoa tem um organismo diferente. Via de regra, tomamos todos os cuidados para escolher o tipo de prótese e a fixação mais adequada para a paciente.

O tecido mamário, depois da cirurgia, continua sofrendo com fatores como os efeitos da gravidade, o envelhecimento da pele e o aumento da flacidez. que podem favorecer a queda das mamas.

Além disso, a cicatrização e o tipo de pele também diferem de pessoa para pessoa.

O tratamento da ptose mamária exige combinações de técnicas complexas e cuidadosa análise pré-operatória para a definição das melhores técnicas a serem utilizadas, diminuindo a necessidade de revisões cirúrgicas, buscando mais harmonia e durabilidade da cirurgia.

Galeria de Imagens

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Aenean commodo ligula eget dolor. Aenean massa. Cum sociis natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Donec quam felis, ultricies nec, pellentesque eu, pretium quis, sem.

  • Nulla consequat massa quis enim.
  • Donec pede justo, fringilla vel, aliquet nec, vulputate eget, arcu.
  • In enim justo, rhoncus ut, imperdiet a, venenatis vitae, justo.
  • Nullam dictum felis eu pede mollis pretium. Integer tincidunt. Cras dapibus. Vivamus elementum semper nisi.

Aenean vulputate eleifend tellus. Aenean leo ligula, porttitor eu, consequat vitae, eleifend ac, enim.

Leia mais